http://www.ptceara.org.br/
Imprimir


* NOTÍCIAS

08/02/2018
Caso de Lula tem rigor maior do que outras 154 ações do TRF-4


Julgamento foi confirmado em tempo recorde, teve pena bem acima das que costumam aplicar os desembargadores e foi um caso raro de decisão unânime

O julgamento de Lula em segunda instância do “caso triplex”, ocorrido no último dia 24 de janeiro, carrega uma série de particularidades que destoam em vários aspectos decisivos se comparadas a outros 154 com 288 réus diferentes julgados entre 2013 e 2017 pela mesma 8ª turma do 4º Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) – todos eles tendo como relator João Pedro Gebran Neto, o mesmo desembargador que relatou o processo do ex-presidente.

 

Em suma, a lei que vale para todos não é a mesma que vale para Lula em três pontos primordiais: celeridade do julgamento em segunda instância, unanimidade dos desembargadores e severidade da pena.  O levantamento foi feito pela “Revista Época” e publicado no dia 3 de fevereiro.

 

Em relação à  celeridade, o julgamento de Lula levou quase três vezes menos tempo para entrar em pauta do que o de todos os outros réus da Operação Lava Jato analisados pelo TRF-4, como mostra o levantamento da revista divulgado na última segunda-feira (5). A decisão saiu seis meses e meio após a sentença em primeira instância, dada por Sergio Moro, contra uma média de 18 meses para outros casos.

 

Quando o assunto é a pena aplicada pelo tribunal, a parcialidade dos juristas fica ainda mais evidente.  A condenação subiu de nove anos e seis meses, em primeira instância, para 12 anos e um mês, em segunda. São 32 meses a mais de aumento de pena ante a média de 25 meses para outros réus da Lava Jato.

 

Para Pedro Serrano, professor de Direito da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), o aumento da pena é mais uma demonstração de que o TRF-4 perdeu a linha ao agir politicamente e com a clara intenção de prejudicar a candidatura de Lula à Presidência da República. “O raciocínio que se usou para condenar Lula é cheio de imaginação e pouco fato. É algo absolutamente antagônico à ideia de um processo penal democrático e justo”, declarou.

 

Também chama a atenção o fato de os três desembargadores terem, mais uma vez, fugido à regra para confirmar a condenação. Para se ter ideia, em 68% dos casos há pelo menos um desembargador que vota diferente dos demais. No caso de Lula, os três tiveram a mesma decisão.

 

O advogado Cristiano Zanin, que compõe a defesa do ex-presidente, complementa e aponta que nenhum dos votos dos três magistrados indicou o recebimento de vantagem indevida por parte de Lula, muito menos qualquer relação com benefícios oferecidos à empresa OAS. “Mais uma vez, o ex-presidente Lula foi condenado sem que tivesse cometido crime algum“, apontou Zanin.

 

A decisão unânime, aliás, impede o ex-presidente de manejar um recurso chamado embargo infringente, perante o próprio TRF-4. Tudo para impeque o povo brasileiro tenha seu direito de votar em Lula, cerceado por decisões abusivas do Judiciário brasileiro.

 

Da Redação da Agência PT de Notícias com informações da Revista Época 

imprimir agora

1999-2018. Conteúdo Oficial - Partido dos Trabalhadores - Ceará
Av. da Universidade, 2189, Benfica, Fortaleza - CE
Cep: 60020-181, Fone: (85) 3454-1313

Portal: www.ptceara.org.br
Produzido e Atualizado pela Comunicação do PT Ceará e TEIA DIGITAL